Como gerir os riscos numa Unidade Residencial

ENQUADRAMENTO

Os doentes neurológicos têm um maior risco de quedas, engasgamento e desidratação.

Ferramentas simples e objetivas que alertem para estes riscos, em tempo real, podem facilitar a gestão do risco através de uma comunicação efetiva entre a equipa.

Contudo, o tipo de sinaléticas a usar nas instituições devem respeitar critérios de adequação, aceitabilidade, e aplicabilidade.

OBJETIVOS DO ESTUDO

Primários: Criar e definir pulseiras sinaléticas de risco de quedas, engasgamento e desidratação e avaliar a sua aplicabilidade* em doentes institucionalizados numa unidade residencial.

Secundários: Avaliar a perceção de riscos pelos profissionais e se a utilização das pulseiras numa unidade residencial reduz a frequência de quedas, engasgamento e/ou desidratação, a médio/longo prazo.